Campanha contra aftosa começa em 1° de maio; meta é conseguir status de zona livre para Bahia

0
LojaoCosta-350x250px

Bahia Notícias 15574476Produtores da Bahia devem vacinar os rebanhos de bois e búfalos contra a febre aftosa. A 1ª etapa começa no dia 1° de maio. O período vai até o dia 31 de maio. Nesta fase, os animais devem ser imunizados em qualquer idade. O produtor também deve declarar todo o rebanho à Adab [Agência de Defesa Agropecuária da Bahia]. De acordo com o diretor de Defesa Sanitária Animal, Rui Leal, com os rebanhos imunizados o objetivo é conseguir o status para a Bahia de zona livre sem vacinação, a partir de 2021.

Para este ano, a dose da vacina foi reduzida para 2 ml, ante 5 ml do ano passado. A Bahia conta com cerca de 10 milhões de cabeças e mais de 261 mil produtores. Os produtores têm até 15 dias para declarar a vacinação à ADAB pela internet (www.adab.ba.gov.br) ou nos postos da agência distribuídos pelo estado. Conforme a agência, a mudança da dose é uma exigência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), para minimizar as reações que ocorriam no local de aplicação da vacina. Para isso, foi retirada também da composição, a substância Saponina (apontada por alguns especialistas como responsável pelas reações vacinais no local da aplicação).

LojaoCosta-350x250px GovBahia-350x250px

Além disso, as vacinas anteriores eram do tipo trivalente, protegendo os rebanhos contra os sorotipos A, O e C do vírus da Febre Aftosa. Como o sorotipo C foi considerado extinto no mundo, a vacina produzida passa a ser bivalente, com antígenos para os tipos A e O do vírus da Febre Aftosa. A vacinação completa dos rebanhos é considerada importante para que a Bahia garanta o status de zona livre de aftosa, concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), pelo 18º ano consecutivo. São 22 anos livre da doença.

Enfermidade

A febre aftosa é uma doença viral, com alto poder de contágio. Pode ser passada pela água, ar, alimentos, pássaros e pessoas, assim como no contato entre animais doentes e sadios. Ele afeta animais de casco fendido, como os bois, búfalos, cabras, ovelhas e porcos.