LojaoCosta-350x250px

26207298-d534-49db-8a8e-3b6a4a9a4e10.jpg.640x360_q75_box-0,233,4462,2742_crop_detail

O estímulo ao consumo que a liberação parcial das contas ativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) pode trazer não deve ser suficiente para mudar a perspectiva de crescimento econômico deste ano, segundo o assessor econômico da Fecomércio-SP, Guilherme Dietze.

“Esse ano já está dado, não há como tirar esse cenário frustrante. Devemos ter uma alta entre 0,5% e 0,8% do PIB”, disse Dietze ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. Para ele, o mais importante é encontrar o momento mais adequado para esse estímulo, que, na opinião de Dietze, deve ser o quarto trimestre.

“No final do ano, a gente já vai ter a dimensão mais clara da reforma da Previdência e outros projetos de liberdade econômica”, disse Dietze. “Se tiver Black Friday e Natal positivos, o varejista vai ficar mais otimista e terá um cenário favorável pra 2020”, apontou.

LojaoCosta-350x250px