BANNER-CHILLI LAPA-1000x90px

 

Eures Ribeiro no Jornal da Manha 05-11-18 (1)
Foto: Aílton Alegria

Depois de denuncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF), pedindo  à Justiça Federal o afastamento imediato e o bloqueio de bens do prefeito de Bom Jesus da Lapa e Presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Eures Ribeiro (PSD), por suspeita de desvio de dinheiro público, Eures  Ribeiro se defendeu afirmando que as  acusações de que teria utilizado ameaças e chantagem para tentar abafar denúncias contra o seu nome são “mágoa de uma oposição derrotada” em Bom Jesus da Lapa. E que por falta de provas a justiça negou o afastamento do prefeito lapense. Na mesma decisão a Justiça Federal deferiu o bloqueio dos seus bens.

Já nesta segunda-feira (5), em entrevista ao programa Jornal da Manhã com Aílton Alegria, na Rádio Bom Jesus AM, Eures voltou a defender a sua inocência. Leia a entrevista na integra.

“A gente que assume a vida pública, a gente tá sujeito a todas as diversidades. Sou um prefeito que trabalho muito, mais não tenho apego exageradamente ao poder. Não sou doente pelo poder, não sou contaminado pelo poder. Eu sei que foi o povo que me deu, me outorgou, sei que o meu mandato que as pessoas me deram não pertence a mim, pertence a eles, ao povo. Eu não sou prefeito, estou prefeito. Tive quatro anos de mandato pela vontade do povo, e mais quatro anos dado pela vontade do povo. Espero poder cumprir os quatro anos que a população me deu. A justiça é soberana, tem a condição de tirar o gestor. Porque só quem pode me tirar é a justiça ou o povo. Várias denuncias foram feitas pelos meus opositores no Ministério Público Federal(MPF), o MPF apurou e continua apurando essas denuncias. Os depoimentos dos meus opositores foram expostos publicamente para que a população tomasse conhecimento. Tem depoimentos que não condizem com a verdade. Eu não sou aquilo que tá la. Eu não sou uma pessoa violenta para incendiar a casa de ninguém. O povo de Lapa me conhece, eu nasci e cresci nessa terra, não tenho nenhum procedimento de agressão. Sou um prefeito que não ando com segurança, justamente porque não faço atos arbitrários com ninguém, não mando bater e colocar fogo na casa de ninguém, por isso que eu ando pelas ruas sem segurança. Porque quando você é uma pessoa violenta, truculenta, você tem que andar com segurança para te proteger. Como eu não ando, então, é porque eu não faço esse tipo de coisa. São os depoimentos que me deixam triste, que me deixa chateado, porque não condizem com a minha realidade, e com a minha postura. O juiz daqui de Lapa indeferiu o meu afastamento, mas o processo continua, e eu vou responder o processo. A justiça tem o poder de dar o contraditório e ampla defesa, e no contraditório e na ampla defesa eu vou ter a oportunidade de me defender. Além dessa denuncia, o MPF apura mais cinco ou seis denuncias. No MP local deve ter umas 25 a 30, no Tribunal de Conta dos Município(TCM) deve ter umas 80, na Controladoria Geral da União(CGU), uma 40, no Tribunal de Contas da União(TCU), uma 80 ou 90. Eu tenho os meus opositores que a vida inteira, fazendo denuncias, denuncias e denuncias. Algumas não tem fundamento nenhum, e algumas tem um certo fundamento, que precisa de defesa, ser defendidas. Eu não me enriqueci com o dinheiro público. Quando tá la mandando bloquear 12 milhões de reais, eu não tenho 12 milhões de reais. Meu patrimônio não chega a R$ 700 mil reais. Meu patrimônio é um apartamento que é financiado, que eu já paguei 6 anos, e é financiado para 20 anos, e falta mais 14 anos para poder pagar. Tem um apartamento que já foi  quitado, quando eu fui deputado. Quando eu fui deputado, a única coisa que eu conseguir comprar foi um apartamento para mim, e uma área de terra. Meu patrimônio é isso, se somar tudo não dá R$ 700 mil reais. Não bloqueou 12 milhões meu, porque eu não tenho 12 milhões de reais  para ser bloqueado.

A maioria das pessoas quando são denunciadas e devem no cartório, fazem corrupção deslavada, o que elas fazem? Antes da justiça bloquear elas tiram do nome. Eu não tirei nada do meu nome. Esse meu patrimônio meu bloqueado, eu não tirei do meu nome. Vou conseguir desbloquear uma parte para provar a minha inocência. Eu não tirei do meu nome, prova que eu estava guardando. Eu sabia que tinha denuncia, e a primeira coisa que geralmente fazem é limpar o patrimônio, tirar tudo do nome. Eu não tirei nada do meu nome do que eu tinha, o pouco  que eu tinha continua no meu nome. Foi bloqueado pela justiça o meu apartamento, foi bloqueado o meu apartamento que é financiado pela caixa econômica federal, e foi  bloqueado um pedaço de terra, que era o patrimônio que eu tinha. Então esse negocio, bloqueou 12 milhões, até parece que eu tinha esse patrimônio. Eu não tinha 12 milhões e nem tenho. Eu queria esclarecer isso a população de Bom Jesus da Lapa que não foi bloqueado 12 milhões, e sim 700 mil reais que eu tenho, e eu não tirei do meu nome. Eu já sabia da denuncia, já sabia. Geralmente o primeiro procedimento que um juiz faz é bloquear o seu patrimônio, para resguardar lá na frente, se realmente o patrimônio público foi lesado, e ele ser ressarcido. É natural em ações de improbidade administrativa, a primeira coisa que um juiz faz. Se eu realmente tivesse maldade com a população, a primeira coisa que eu faria era tirar o patrimônio do meu nome, e há muito tempo eu não tirei. Eu não me incomodo de ter bloqueado, porque lá na frente eu provando a minha inocência vai ser desbloqueado e vai ficar a minha disponibilidade, porque é meu consegui com o meu suor, honestamente. Antes de ser prefeito eu já tinha os apartamentos, a única coisa que eu conseguir na prefeitura foi uma área de terra  que custou cento e poucos mil reais, que tá dentro da minha condição, então, não me incomodo. Eu só me incomodo, com um afastamento de um prefeito, porque quem é prejudicado é a população, é o povo. Ainda mais um prefeito que vem trabalhando, vendo a cidade como ela tá. Lapa nunca chegou ao patamar que ela está, tudo em dia, com as finanças em dia, com a limpeza pública em dia. Com um sistema de saúde, mesmo com algumas deficiências, que não é perfeito, que não tem governo perfeito, mais com um sistema de saúde que funciona.  A UPA funcionando  com três médicos de plantão, o SAMU com dois médicos de plantão, o hospital todo reformado, com sete cirurgiões, fazendo 200 procedimentos cirúrgicos, que nunca teve em Bom Jesus da Lapa, um  hospital sendo ampliado. Construídos leitos de UTIs, construindo hospital de Hemodialises, com obras em todos os bairros, com os postos de saúde todos funcionando, com as escolas funcionando, com o pagamento em dia. Então, você trazer um afastamento de um prefeito, mesmo que você tenha um bom vice-prefeito, que é Carlos Costa, que ele daria andamento no meu afastamento, as coisas, seriam um prejuízo enorme para o erário público, seria um prejuízo enorme para a cidade. Porque até que as coisas engrenarem, que as coisas controlarem, o caos se instalaria no município.

o afastamento de um prefeito que trabalha, que dá respostas para o seu povo, prejudica muito mais a população. Eu estou pronto para responder, não só essa denuncia, como todas, porque são muitas denuncias. Como eu disse, se somar aí, são mais de 400 denuncias contra mim, pelo meus opositores, com um único objetivo, chegar ao poder, tomar o poder. De me afastar e tomar o poder. Percebem que não conseguem vencer nas urnas. Toda eleição minha força política, que não é minha, é do meu grupo, cresce cada vez mais. E como não conseguem ganhar no voto, querem ganhar no tapetão, me afastar, para na frente chegar ao poder.

Repito, eu não tenho fome de poder, venho de família pobre, de família humilde, a cidade inteira me conhece. Trabalhei na roça, puxei enxada, não tenho vergonha de dizer isso, já passei fome, já passei muitas dificuldades. Minha mãe Dona Eva, que Deus a tenha, uma senhora muito honrada nos ensinou  ensinou muito a linguagem da humildade, tanto a mim como os meus irmãos. Não tem um irmão meu que trabalha ou vive de prefeitura, todos tem o seu comércio, vivem do seu comércio, com honestidade, com honradez . Então eu não me incomodo, eu não tenho apego ao poder. Eu já estou pronto, desde já, pronto para deixar o poder.  Eu não preciso me apegar ao poder. Quem vai em minha casa, eu moro em uma casa comum, alugada, de classe média, não tem nenhum luxo na casa, não tenho segurança na minha porta. Tenho uma vida humilde, vivo na casa de todo mundo. Então desagarrar de quê, se eu não tenho apego a nada?”

O prefeito de Bom Jesus da Lapa continua:

“Estou pronto para deixar a prefeitura, e vou deixar quando vencer o meu mandato, porque a população de Bom Jesus da Lapa me deu, e eu tenho mais dois anos. Eu quero terminá-los, concluir esses dois anos. Eu estou pronto desde já. Porque se por ventura acontecer o meu afastamento, eu estou pronto, eu não me preocupo. Eu me preocupo é com a cidade, como é que vai ficar a população, como é que vai ficar o hospital funcionando, como é que vai ficar a limpeza pública, como é que vai ficar o pagamento dos servidores públicos. Isso é o que me incomoda, se afastado ou não, porque eu nunca fiz do poder um sistema de vida. Eu confiou muito no Senhor Bom Jesus da Lapa, em Nossa Senhora, que vai permitir que eu fique mais os dois anos, exercendo o meu mandato que foi dado pelo povo, concluir o meu mandado, e o povo, livremente, possa escolher o novo prefeito que vai me suceder na prefeitura de Bom Jesus da Lapa. É o que eu espero, porque acredito na providência divina. Porque não tem advogado melhor do que Deus. E Deus conhece o coração dos homens, e Deus conhece o meu coração, como o povo também conhece. Primeiro Deus, depois o povo. Eu devo muito a Deus, devo muito ao Bom Jesus da Lapa, a nossa Senhora da Conceição que sempre me protege, que é a minha madrinha. E tenho certeza que foram eles que me deram o poder, um jovens simples e humilde chegar a prefeitura de Bom Jesus da Lapa. É a primeira vez que alguém do povo assume a prefeitura, porque sempre alguém das oligarquias ou de outra assumia. E eu pretendo concluir o meu mandado, com a força de Deus, Ele vence tudo”, finaliza.

Foto: Aílton Alegria
Foto: Aílton Alegria