Bom Jesus da Lapa e mais 16 cidades da região vendiam bebidas de fábrica clandestina fechada pela polícia em MG

0
LojaoCosta-350x250px

Uma mega operação resultou no fechamento de uma fábrica clandestina que distribuía bebidas falsificadas, de acordo com lista apreendida, no município de Bom Jesus da Lapa e mais 16 cidades do Oeste e Sudoeste da Bahia, além de várias cidades do Norte de Minas Gerais. O esquema de falsificação foi descoberto e fechado pela Polícia Civil de Bocaiuva, na região Norte de Minas Gerais, na tarde desta terça-feira (27/06). Na operação três homens foram presos em flagrante. Que confessaram que no local falsificavam a produção de vários tipos de bebidas alcoólicas destiladas e caras como uísque. As bebidas eram vendidas por preços abaixo do praticado no mercado. Os suspeitos disseram à polícia, que a produção funciona há cerca de seis meses, porém os investigadores acreditam que a fábrica clandestina funcione há mais tempo.


A Polícia Civil chegou ao local, após suspeita de um caminhão, que sempre parava na porta do galpão e descarregava garrafas de vidro. Durante a apreensão da Polícia Civil, os investigadores interceptaram um carregamento das bebidas que seguiria para a cidade de Pirapora, também no Norte de Minas. No galpão estavam vários toneis e caixas d’água, usados para misturar solventes, aditivos e aromatizantes, usados para chegar próximo ao sabor das bebidas. Além das bebidas, de rótulos nacionais e importados, a polícia encontrou selos de inspeção falsos. Os investigadores acreditam que os autores faziam a venda dos produtos para 129 cidades nos estados de Minas Gerais e Bahia. Na lista da ROTA 1, constam cidades como Bom Jesus da Lapa, Riacho de Santana, Guanambi, Carinhanha, Malhada, Santa Maria da Vitória, Cocos, Feira da Mata Correntina, Santana, Jaborandí, entre outras.

LojaoCosta-350x250px

O delegado responsável pelo caso informou que por se tratar de produto destinado ao consumo humano, os denunciados podem pegar de 4 a 10 anos de prisão. A quantidade de bebidas apreendidas não foi informada. O proprietário da fábrica identificado como Márcio Magno de Souza é procurado pela polícia. Ele também era o responsável pelo transporte das bebidas.

Suspeitas apontam que o álcool usado nas misturas seja o mesmo usado para abastecer veículos. Os danos que podem causar em seres humanos são inúmeros como: irritação no trato respiratório e trato digestivo, depressão no sistema nervoso central, problemas no fígado, rim e coração.

Com informações da Polícia Civil de Minas Gerais.

Redação: Notícias da Lapa