Encontros territoriais de líderes de classe e jovens ouvidores é realizado em Bom Jesus da Lapa

0
GrupoSCosta-350x250px

Ascom SEC

Cerca de 120 estudantes – entre líderes estudantis e jovens ouvidores de escolas estaduais de 16 municípios – estão participando, nesta segunda-feira (27), no Colégio Estadual Monsenhor Turíbio Vilanova, no município de Bom Jesus da Lapa, do Encontro Territorial de Líderes de Classe e Jovens Ouvidores, do Núcleo Territorial de Educação do Velho Chico (NTE 2). A atividade, que consiste em uma série de encontros já promovidos em 12 territórios, em cidades como Juazeiro e Barreiras, visa promover a troca de experiências sobre políticas públicas para as juventudes e fortalecer a participação estudantil para a construção de uma gestão democrática nas unidades escolares e nos 27 NTEs.

BahiaFArmShow-350x250px

A atividade prossegue, nesta terça-feira (28), no município de Alagoinhas (NTE 18); e na quarta-feira (29), em Irecê (NTE 01) e Feira de Santana (NTE 19). No mês de junho, os encontros acontecem em Jacobina (NTE 16) e Eunápolis (NTE 27), no dia 5; em Senhor do Bonfim (NTE 25) e Teixeira de Freitas (NTE 07), no dia 7; em Salvador (NTE 26), no dia 11; em Valença (NTE 06), no dia 13; em Vitória da Conquista (NTE 20), no dia 14; e Itapetinga (NTE 08) e Serrinha (NTE 04), no dia 18.

A líder quilombola territorial Náthali Alissa Pereira, 16, que cursa o 2º ano no Colégio Estadual Doutor Luís Rogério de Souza, no município de Barra, disse que é necessário ter essa comunicação com os demais estudantes líderes e ouvidores. “É importante encontros como este. Através da minha função, venho conversando em reuniões com os estudantes sobre a rede quilombola”.

Segundo o jovem ouvidor territorial David Junior Ferreira, 16, 2º ano, do Colégio Estadual Anísio Honorato Godoy, em Serra do Ramalho, o encontro serviu para ampliar os seus conhecimentos. “Esta é uma boa oportunidade para dialogar e planejar ideias, dando voz aos alunos. Um papel que eu tento desempenhar bastante no território é uma boa comunicação entre os ouvidores, pois isso torna mais fácil o desenvolvimento dos planos”, comentou.