Ensino Médio precário do Governo do Estado no Projeto Formoso é tema de debates da Câmara de Bom Jesus da Lapa

0
LojaoCosta-350x250px
Créditos da foto: Demétrio Rocha/Codevasf

O Projeto Formoso “A” e “H” foi mais uma vez tema de debates da Câmara de vereadores de Bom Jesus da Lapa na manhã dessa quinta-feira(3). O debate foi sobre a qualidade do ensino oferecido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual da Educação para os filhos dos produtores do Perímetro Irrigado.

A discussão aconteceu durante a votação de um requerimento de autoria do vereador Romeu Thessing (PCdoB), solicitando a construção de um Colégio Estadual pelo Estado no Setor 33, destacando que o espaço atual que funciona de forma alugada e é um anexo do Colégio Estadual da cidade, não oferece as condições necessárias. Acolhendo mais de 200 anos de forma precária.

LojaoCosta-350x250px

Ele lembrou, que nos 30 anos de história do Projeto Formoso A e H, a “participação do Governo da Bahia no perímetro é muito frágil, no que se trata especificamente na educação.  E que lamentavelmente, o governo do estado não se responsabiliza com a situação, mesmo sabendo que o Projeto Formoso é o maior produtor de banana do país, e gera renda para o município e região.

O vereador Leonardo Francisco(PTN) destacou a importância do debate, e frisou que o requerimento para a construção de uma Escola Estadual no Projeto Formoso é  uma luta antiga, que já foi solicitado também, pela vereadora Rita Ribeiro(PSD), e que a situação que se encontra a educação oferecida pelo governo da Bahia no Perímetro Irrigado é “preocupante”.

Ele frisou ainda, que apoiava a proposta, no entanto era necessária ter uma alternativa de curto prazo, referente ao funcionamento da rede estadual. “Para vocês terem uma ideia, no Projeto Formoso, no anexo do Estadual, quase não tem aula”.

O parlamentar lamentou, que faltam professores constantemente, e o transporte escolar o estado fica sem repassar os recursos para levar os alunos, ficando quase um mês sem aula, e faltam “um, dois ou três professores”, e que já procurou o prefeito, que também já conversou com o Secretário da Educação do Estado. E que diante da situação, a construção de uma escola pode ser o único caminho viável. “Mas antes de tudo vamos procurar erradicar o que está acontecendo no momento, porque não adianta fazer prédio […] Então vamos sanar essa situação, porque hoje tá um caos no Projeto Formoso”, destacou.

A vereadora Andreia do João Paulo II(PTN), sugeriu que os colegas procurassem o Núcleo Territorial de Educação(NTE-02) também, e buscassem fazer um levantamento para saber qual é a demanda do Projeto Formoso A e H, para que a solicitação seja cobrada com mais fundamentação, e seja capaz de conseguir um resultado positivo.

Já a vereadora Rita Ribeiro(PSD), afirmou que falar do Colégio do Projeto Formoso traz para ela grandes recordações, lembrando que o anexo foi fundado no ano de 2000, e antes da existência do espaço, vinham para a cidade de Bom Jesus da Lapa 5 ônibus de jovens todos os dias. O qual foi uma solicitação do prefeito Eures Ribeiro, na época que ele era vereador.

Ela lembrou que depois que foi liberado para a instalação do anexo, foi adaptado um local onde funcionava uma escolinha particular, onde ela deu aula para os novos alunos do Ensino Médio durante 2 anos, de forma voluntária.

A vereadora frisou que infelizmente acontecem várias coisas negativas, em função da forma que o Estado faz. Atrasando o aluguel do espaço, e causando várias situações ao  longo dos 19 anos de existência, prejudicando  os alunos. “Porque quando o estado fica dois,  três, quatro  meses sem pagar a proprietária […]Então são várias investidas nossas ao longos desses 19 anos”, e continuou: “no meu primeiro mandando, em 2015, eu entrei com um requerimento nessa Casa, solicitando ao prefeito e o governo do estado, que então a gente pudesse construir a sede própria, para tirar os alunos, a direção e a comunidade dessa situação constrangedora. Porque uma certa vez nós tivemos que entrar com um mandato de segurança contra a proprietária, porque a briga dela era contra o estado, e ela não poderia impedir que os jovens tivessem o acesso a educação e à escola. Mas ela também estava amparada, no direito, já que estava sem receber. Por isso a gente precisa lutar para que essa escola seja feita, vereador Romeu”, finalizou.