Moradores denunciam aplicação irregular da vacina contra a Covid-19 em Sítio do Mato

0
LojaoCosta-350x250px
Imagens do prefeito de Sítio do Mato tomando a vacina contra Covid-19/Foto divulgada pela página Sítio do Mato em Pauta

A prefeitura de Sítio do  Mato(a 46 km de Bom Jesus da Lapa) está sendo denunciada  nas redes sociais pela aplicação irregular de doses da vacina contra a Covid-19.

Redes sociais

LojaoCosta-350x250px

Imagens que circulam em redes sociais mostram  o  prefeito da cidade de Sítio do Mato, Cássio Cursino (PSD), e outra  pessoa  tomando a vacina. Segundo as publicações, o gestor e  “pessoas próximas” a ele tomaram a vacina  “que chegaram ao município, de forma indevida, sendo que  não fazem parte do grupo que é prioridade no momento”. As postagens vem causando indignação em muitos moradores do município.

Pessoal próxima do prefeito sendo vacinada, segundo denúncia/Foto: Sítio do Mato em Pauta

O prefeito Cássio Cursino  tem 54 anos, e  está fora do grupo prioritário, já que não atua na linha de frente no combate a Covid-19. A recomendação das autoridades de saúde é para que ele aguardasse a sua vez para receber as suas doses. Ele só deveria ser vacinado, após todo o público alvo das 3 fases  já terem sido vacinados, segundo o cronograma estabelecido  pelo Ministério da Saúde.

Igual a outros municípios da região, Sítio do Mato  recebeu poucas doses da vacina. E nesse momento, a vacinação deveria ser restrita a trabalhadores de saúde, idosos que vivem institucionalizados, população indígena ou comunidades tradicionais ribeirinhas, além de idosos com mais de 75 anos.

Outros casos

Denúncias de pessoas fora dos grupos prioritários que receberam a vacina também ocorreram nas cidades de Candiba e Vitória da Conquista, ambas no sudoeste da Bahia.

Em Candiba, o próprio prefeito foi flagrado tomando a primeira dose do imunizante, mesmo estando fora dos grupos prioritários. A imagem foi registrada e divulgada  na conta oficial da prefeitura no Instagram.

Reginaldo Prado (PSD) argumentou que tomou a vacina para “incentivar a vacinação da população”, que, segundo ele, não compareceu ao posto de saúde com receio de receber o imunizante. O Ministério Público abriu procedimento para apurar a conduta do chefe do Executivo da cidade.

Em Vitória da Conquista, no sudoeste as denúncias chegaram à Secretaria da Saúde informando que profissionais da área, mas que não fazem parte do grupo prioritário, burlaram documentos para receber a vacina.

De acordo com o cronograma, os primeiros a receberem o imunizante são os que lidam diretamente no combate à doença. Mas profissionais de redes hospitalares falsificaram os dados e compareceram aos postos.

A secretaria disse que já identificou a empresa e convocou os responsáveis para uma reunião para adotar as medidas necessárias para o hospital e para os profissionais que burlaram as regras da vacinação.

Até o momento  Cássio Cursino  não se manifestou sobre a denuncia. O espaço está aberto para a versão do prefeito.