Bolsonaro decide demitir secretário de Cultura após fala nazista

0
LojaoCosta-350x250px

O presidente Jair Bolsonaro decidiu demitir o secretário de Cultura, Roberto Alvim, após vídeo em que faz referências ao nazismo. A publicação foi feita na manhã desta sexta-feira e gerou polêmica e indignação.

LojaoCosta-350x250px

Fontes próximas ao presidente afirmam que a situação do secretário ficou insustentável, e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, já teria sido comunicado da decisão tomada pela cúpula do governo bolsonarista. Aliados no Congresso também já teriam sido avisados.

O vídeo divulgado nas redes sociais oficiais da secretaria parafraseia um discurso do nazista Joseph Goebbels, um dos principais membros do governo de Adolf Hitler na Alemanha Nazista.

O trecho copiado diz: “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”.

Já o discurso de Roberto Alvim afirma: “A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada”.

A trilha sonora do pronunciamento é da ópera “Lohengrin”, de Richard Wagner, conhecido como o compositor preferido de Adolf Hitler.

O secretário se defendeu nas redes sociais. “O que a esquerda está fazendo é uma falácia de associação remota: com uma coincidência retórica em UMA frase sobre nacionalismo em arte, estão tentando desacreditar todo o PRÊMIO NACIONAL DAS ARTES, que vai redefinir a Cultura brasileira… É típico dessa corja. Foi apenas uma frase do meu discurso na qual havia uma coincidência retórica. Eu não citei ninguém. E o trecho fala de uma arte heróica e profundamente vinculada às aspirações do povo brasileiro”, escreveu Alvim.

O Prêmio Nacional das Artes, divulgado pela secretaria no vídeo, vai oferecer R$ 20 milhões para projetos culturais em todas as regiões.